Classificados

Administração

Patrocinadores

 Visitem os Patrocinadores
dos Nobres do Grid
Seja um Patrocinador
dos Nobres do Grid
Os descaminhos para quem está na pista PDF Print E-mail
Written by Administrator   
Monday, 29 April 2013 02:39

Caros amigos, é muito “fácil” para qualquer redator sentar-se diante de um computador e preparar um texto quando municiado de uma notícia vinda de diversas fontes sobre um tema polêmico, contundente e que certamente irá gerar muitos comentários – a favor ou contra. O importante é a “velocidade da notícia”, a “palavra abalizada”, o “conhecimento de causa”.

 

Tivemos há pouco mais de uma semana mais um caso de um atleta do automobilismo envolvido com problemas relacionados ao uso de substâncias de “licitude duvidosa” e de atos danosos – principalmente à sua própria imagem.

 

Na noite/madrugada de 20 para 21 de abril o piloto paranaense Jaime Melo Junior foi preso em Cascavel, sua cidade natal, após – na tentativa de fugir da polícia – bater o carro no muro e no portão de uma residência em sua cidade.

 

Os veículos de imprensa deram algumas versões sobre o incidente, com maior ou menor gravidade. Em todas elas, foi abordado o ponto de que o piloto estaria sob efeito de substâncias entorpecentes. Contudo, além de não ter sido divulgado qual seria ou seriam estar ditas “substâncias”, se socialmente lícitas ou não, o fato do piloto ter tentado escapar de uma ação policial valendo-se da sua habilidade superior ao volante é um enorme agravante.

 

Existe também, segundo o lavrado no Boletim de Ocorrência pelos integrantes da Polícia Militar, que a fuga deu-se após uma denúncia de que estava ameaçando outra pessoa em uma casa noturna. Como agravante, Jaime Melo Junior estava com a carteira de habilitação suspensa. Dentro do carro foram encontrados diversos medicamentos com origem no Paraguai e uma lata de cerveja. Contudo, não foi informado se foi feito o teste do “bafômetro” como o piloto.

 

Jaime Melo Junior foi autuado por dirigir com a habilitação suspensa, por excesso de velocidade, por desobediência, e por conduzir sob efeito de susbtância entorpecente. O excesso de infrações impediu que uma fiança pudesse ser arbitrada, por isso foi preciso que os advogados de Jaime Melo entrassem com um pedido de substituição da medida de recolhimento, por uma restritiva de direitos. Na prática, ele ficou detido até que o juiz de plantão da 4ª Vara Cível expediu um alvará de soltura, o que só ocorreu no dia 21.

 

Aos 32 anos de idade, Jaime Melo Junior venceu por duas vezes as 24 Horas de Le Mans , em 2008 e em 2009, pela Risi Competizione, de Giuseppe Risi, na categoria GT2. A Risi  é praticamente uma equipe semi-oficial da Ferrari no Mundial de Endurance. Melo ainda ganhou destaque em outras competições de GT2, como as 12 horas de Sebring, também pela equipe italiana.

 

Considerado um dos brasileiros de maior sucesso em competições de turismo no exterior, Jaime Melo Júnior conquistou um total de 18 vitórias em provas na Europa e nos Estados Unidos, além vários outros resultados expressivos na categoria GT2. Entretanto, o comportamento dele dentro e fora da pista acabou sendo o motivo de sua não renovação de contrato ao final da temporada de 2011 com a Risi Competizione. No passado, ele correu no Mundial de Endurance com a equipe francesa Luxury Racing, antes dela deixar a categoria, antes do final da temporada.

 

Em fevereiro deste ano, sem mercado no exterior, Jaime Melo Junior chegou a tentar participar de testes na Fórmula Truck em Interlagos (SP), mas acabou não comparecendo. Segundo informou o piloto na época, ele teria sofrido um ‘mal súbito’, ocasionado por uma ‘intoxicação alimentar’. Todavia, pessoas do mundo automobilístico brasileiro que tiveram contato recente com o piloto dizem que ele “já não parecia estar muito bem”.

 

Depois do ocorrido, segundo informações da própria família, o piloto seguiu para a Europa a fim de tentar conseguir um contrato para pilotar por alguma equipe em algum campeonato de carros de turismo,

 

Lamentavelmente este não é o primeiro nem o único caso de pilotos de corrida que andaram enfrentando problemas por motivos “extra-pista”. Desde que foi alvo de uma matéria sobre o uso de substâncias ilícitas, Tarso Marques, que chegou a correr na Fórmula 1, ao lado de Fernando Alonso, nunca mais conseguiu um contrato ou um pacote de patrocinadores para voltar a pilotar nas principais categorias do país.

 

Marcos Gomes, depois de uma suspensão após constatação no exame antidoping na etapa do Velopark em 2012, tendo entre as substâncias identificadas a maconha, teve seu contrato rescindido com a equipe para a qual corria na época. O filho caçula do tetracampeão Paulo Gomes conseguiu uma nova equipe para correr este ano.

 

Fora do Brasil, o piloto A.J. Almendinger, diagnosticado com o uso de substâncias não permitidas pela NASCAR e foi afastado da categoria e da própria equipe Penske. Antes do final do ano passado, Almendinger foi autorizado a correr novamente na categoria e, para 2013, foi recontratado pela Penske, mas para correr na  Fórmula Indy, apesar de estar fazendo algumas corridas esporádicas na NASCAR.

 

Assim como foram os casos de Marcos Gomes e A.J. Almendinger, que tiveram uma segunda chance de voltar a correr de automóveis, nada impede que Jaime Melo Junior possa vir a reencontrar o seu caminho e voltar a ser um grande piloto. Com 32 anos de idade, sua carreira pode se prolongar por mais 10 ou 15 anos na categoria, caso leve a sério um programa de condicionamento físico adequado. Só depende dele.

 

Enquanto isso, no balcão do cafezinho...

 

Que o super domínio que a equipe RML tinha quando era a equipe oficial de fábrica da Chevrolet no WTCC até 2012 seria superado quando foi anunciada a saída do apoio oficial da montadora, todos sabiam que seria uma questão de tempo. O que não era esperado é que a Honda, que retornou ao WTCC este ano como equipe de fábrica conseguiria se impor em tão pouco tempo. Na etapa da República Tcheca, na primeira prova, Gabrielle Tarquini liderou o 1-2-3 da equipe nipônica. Yvan Muller ainda é o líder do campeonato, depois de 4 rodadas, mas o italiano já aparece como forte candidato ao título.

 

Robert Kubica adicionou mais um acidente em provas de Rally. O polonês capotou seu Citröen durante o segundo dia do Rally dos Açores, válido pelo campeonato europeu. Depois de ter ido bem no primeiro dia de atividades em Portugal, Kubica perdeu o controle de seu carro ao passar por cima de um grande buraco. 

 

Se os acidentes nestas provas para ele não são novidade, a novidade foi o teste que o polonês agendou para fazer no simulador de Fórmula 1 da McLaren. Apesar de já ter declarado que a F1 é uma “coisa distante”, o piloto não deve ter desistido de todo do sonho de um dia voltar... e seria muito bom se ele voltasse.

 

Como o assunto é na McLaren, a equipe andou sob os holofotes esta semana que passou por conta da dura disputa entre Jenson Button e Sergio Perez. O campeão de 2009 declarou que não era para ele estar ali, tocando rodas a 300 por hora com um companheiro de equipe, que isso não fazia sentido. Seria bom alguém mostrar uns tapes de corrida do Senna contra o Prost para o inglês.

 

Por outro lado, Sergio Perez convocou a nação mexicana para apoiá-lo neste momento de luta pela afirmação dentro da equipe. Afinal, ele não quer ser um guerreiro solitário contra todo o império britânico. Contudo, ele só precisa de um aliado nessa disputa: o dono da mala de dinheiro! O resto, é com ele na pista. Se der pra não trocar tinta com o companheiro de time, melhor.

 

Mas a melhor mesmo foi a conversa de que Ron Dennis estaria de saída da equipe. Segundo noticiou um jornal alemão, o carrancudo britânico teria se estranhado com o outro sócio da equipe, Mansur Ojjeh. Ambos tem 25% da equipe. Os outros 50% estão nas mãos do grupo de investimento barenita Mumtalakat. Sobre a saída de Martin Whitmarsh – que teria sido pedida pelo próprio Ron Dennis – o simpaticíssimo inglês negou e afirmou que os rumores são "ridículos". Desse jeito, nem precisa o bom velhinho ficar criando factoides pra dar manchete!

 

Nos EUA, uma daquelas de pai pra filho foi testemunhada por quem viu a prova da Nationwide na sexta-feira. Depois de um toque pouco sutil – diferente do que tomou de Joe Pastrana – dado no Bryan Scott, Nelsinho Piquet reviveu as cenas de pugilato do pai com o chileno Eliseu Salazar quando o americano bateu em seu carro após ambos cruzarem a linha de chegada.

 

Nelsinho bateu de volta, fez o americano rodar e deu uma “peitada” de bico de carro com bico de carro na entrada dos pits. O americano saiu do carro e foi tomar satisfações com o brasileiro, que também já estava fora do carro, sendo recebido com um soco e um chute, bem parecidos com os do pai, 31 anos atrás. A turma do ‘deixa disso’ separou os dois, mas nas garagens, os mecânicos se pegaram e a coisa foi parar na delegacia!

 

Na prova da NASCAR, a corrida também teve gente se tocando e empurrando um contra o outro no muro... e Kurt Busch estava no meio novamente.

 

Acho que se eu exportar maracujina para os EUA fico rico!

 

Um abraço e até a próxima,

 

Fernando Paiva 

 

Last Updated ( Monday, 29 April 2013 02:46 )