Classificados

Administração

Patrocinadores

 Visitem os Patrocinadores
dos Nobres do Grid
Seja um Patrocinador
dos Nobres do Grid
A próxima é pra valer! PDF Print E-mail
Written by Administrator   
Monday, 25 February 2013 01:26

 

Caros amigos, tivemos nesta última semana a ultima sessão de treinos antes da temporada de 2013 da Fórmula 1. Como todos nós que seguimos o automobilismo de perto, há um enorme jogo de ‘esconde e mostra’ nestes testes pré-temporada onde ninguém pode afirmar, seguramente, quem tem hoje o carro mais veloz dos 22 que disputarão o campeonato. Contudo, podemos especular um pouco, não?

 

Tomemos os treinos dos três primeiros dias, uma vez que no quarto dia as chuvas não tem como permitir que se faça qualquer comparação. Logicamente é preciso lembrar que, de um dia para o outro, as condições da pista certamente mudam... mas vamos “ignorar este pequeno detalhe”.

 

Se tomarmos todos os tempos feitos nos três dias de testes em Barcelona temos:

 

1.    Sergio Perez, McLaren, 1.21,848

2.    Fernando Alonso, Ferrari, 1.21,875

3.    Nico Hulkenberg, Sauber, 1.22,160

4.    Romain Grosjean, Nega Genii, 1.22,188

5.    Sebastian Vettel, Red Bull, 1.22,197

 

Até onde esta especulação poderia nos levar a pensar que poderemos ter uma disputa aberta entre as equipes como foi na primeira metade da temporada passada? Como de costume, todos os pilotos deram depoimentos (seria um insulto chamar aquilo de entrevistas) falando de quanto foi proveitoso o dia, de que os ajustes testados tiveram resultados muito bons e de que a equipe está num bom caminho. Além disso, todos – claro – trataram de jogar o favoritismo nas costas dos outros, procurando diminuir qualquer feito de seus carros.

 

Foi no mínimo interessante ver a tricampeã Red Bull aparentemente sem as dificuldades do início da temporada passada e a McLaren andando na frente, além, claro, da Ferrari dar impressão de que não começará o ano um ou dois passos atrás da concorrência.

 

Pelo outro lado do mesmo cenário, as equipes ‘nanicas’ continuam como antes. Sendo verdadeiras chicanes móveis na pista, com uma enorme defasagem de tempo por volta. Para nós, no Brasil, a única coisa a se dizer desta parte dos treinos foi a não entrada na pista do brasileiro Luiz Razia. Segundo nota da equipe Marussia, por conta de problemas técnicos no carro do companheiro de time, Max Chilton, mas o piloto brasileiro tratou de desmentir a nota oficial e disse que não treinou por não ter feito parte do pagamento pelo cockpit a ser usado este ano.

 

Tomara que este rapaz não ache que o ‘modus operandis’ de Rubens Barrichello no sentido de falar o que não deve quando não deve seja o melhor caminho para se construir um futuro na Fórmula 1.

 

Enquanto isso, no balcão do cafezinho...

 

Aonde este mundo vai parar: desde que a eletrônica desembarcou de vez na Fórmula 1 e os carros foram ficando com os volantes cada vez mais parecidos com um controle de videogame, a idade dos pilotos foi caindo e caindo. Os ases do mundo virtual parece que irão agora invadir o mundo real. O britânico Jann Mardenborough , um piloto que começou sua carreira no mundo dos games foi confirmado para a disputa da F3 Europeia. “Descoberto” pela Academia de GT da Nissan, ele fará sua estreia nos monopostos após um ano competindo em provas de turismo na Inglaterra. É mesmo o fim dos pilotos da “escola da graxa” como foi Nelson Piquet.

 

Enquanto uns vem e outros vão, teve gente que ficou sem ter para onde ir. Após muita especulação, a equipe BMW acabou por não contratar o polonês Robert Kubica para disputar o campeonato de 2013. Apesar dos elogios feitos ao piloto, a equipe preferiu apostar em outros nomes para a temporada, que este ano terá 8 carros da montadora ao invés dos 6 do ano passado.

 

Enquanto Nurburgring continua tendo dificuldades em se manter, a pista turca está abandonada, o circuito da Coreia do Sul nada em um mar de prejuízos e recentemente mostramos o abandono do circuito citadino de Valência, na coluna “Estórias de Além Mar” do nosso querido lusitano Paulo Teixeira, em Santa Catarina, as especulações sobre a construção de um autódromo FIA 1, capaz de receber uma etapa do mundial da categoria maior do do esporte a motor do planeta continua sendo alimentada.

 

Ninguém pode questionar a competência dos administradores do parque Beto Carrero no seu trabalho e é com empreendedorismo que se conquista as grandes vitórias. Contudo, não há de se deixar de levar em conta o que acontece pelo mundo a fora onde, a exceção dos países árabes, todos os organizadores reclamam de como é caro, problemático – e pouco rentável, para não dizer que ficou no prejuízo – fazer uma etapa de Fórmula 1. A nós, só nos resta torcer para que tenham êxito em mais este desafio.

 

E neste final de semana começou o mais longo dos campeonatos de automobilismo que costumamos acompanhar: a NASCAR. Depois da ‘pré-estreia’ do final de semana passado, neste final de semana teve corrida pra valer. E se na corrida que não valia nada já teve daquelas pancadas, imaginem se não teríamos coisas do gênero na etapa de abertura?

 

E nem foi preciso esperar a categoria principal entrar na pista. Na noite do sábado, na prova da Nationwide – que poderia perfeitamente ser chamada de ‘Nationwild’ – os pilotos protagonizaram um gravíssimo acidente, com um carro se despedaçando contra a tela de proteção e 28 espectadores saindo feridos. O detalhe e que o grid estava repleto de pilotos que disputam a categoria principal... Será que se fizerem um exame psicotécnico nestes pilotos alguém é autorizado a correr? Na corrida do domingo, apesar dos dois acidentes múltiplos, parece que os pilotos decidiram pegar mais leve.

 

Um abraço e até a próxima,

 

Fernando Paiva