Classificados

Administração

Patrocinadores

 Visitem os Patrocinadores
dos Nobres do Grid
Seja um Patrocinador
dos Nobres do Grid
Como era grande o coração do nosso Luizinho... PDF Print E-mail
Written by Administrator   
Sunday, 20 January 2013 00:04

 

 

Caros amigos, enquanto redigia a coluna da semana passada, um pensamento constante perturbava a minha atenção: a newsletter iria ser distribuida no dia 15 de janeiro, véspera dos dois anos da morte do ‘Padrinho’ do site, Luiz Pereira Bueno. O que escrever então? Sobre a futura eleição da CBA ou sobre a sempre atual vida do nosso grande Nobre do Grid?

 

Tem coisas que não encontramos meios para explicar e acabei decidindo que iria pensar em algo para escrever sobre Luiz Pereira Bueno para este domingo, dia 21 de janeiro. Mas escrever o que? Já escrevemos tanto? Um livro já foi publicado sobre sua vida... mas eis que aconteceu uma daquelas coisas inexplicáveis.

 

Todos os dias o site dos nobres do grid, através do endereço colocado em nossa ‘frontpage’ recebe algo em torno de 40 emails, com mensagens de elogio, pedidos de matérias, fotos antigas, críticas, erratas... e tanto eu como o Flavio, nosso editor chefe, procuramos responder a todas, mas foi justamente no dia 16, “O dia”, que respondi a primeira de uma série de mensagens de um dos nossos leitores, o Sr. Roberto Bezerra Cavalcanti, que vivenciou um daqueles momentos que ficam eternizados na memória da gente, simples pessoas, longe de sermos um ícone como sempre será Luiz Pereira Bueno.

 

Com a devida licença do Sr. Roberto, publicarei um dos seus emails na íntegra, onde ele narra seus momentos ao lado do nosso eterno Luizinho.

 

“Prezado (Sr) Fernando Paiva

A sua pessoa, com suas respostas, revela atenção e, também, espontaneidade. Mas sabe, também, contornar, com a mesma elegância de um “gentleman-driver” contornando uma curva, as perguntas mais insistentes e –perdão – indiscretas. O espírito imbuído foi somente por excesso de curiosidade. E, agora, fiquei mais curioso ao saber sua idade. De qualquer forma, Parabéns!

Contando com sua paciência, permita-me uma rápida observação. Desde jovem possui inúmeros veículos, típicos da época, como um Renault 1093 um Interlagos e, mais tarde, um MG e algumas –minha verdadeira queda – algumas Alfas italianas.

Não tive uma incursão muito intensa e, sobretudo, não dei continuidade no universo do automobilismo e, depois de certo tempo, fiquei totalmente dissociado.

O Nobres do Grid me faz constatar duas nuances. A primeira, por imperfeição de meu temperamento, não cultivei muitas amizades no meio. E, a segunda, o nobres do grid revela ser um “ponto” de encontro de pessoas e se conhecer gente boa, que é mérito de sua pessoa e seus colaboradores.

No seu profícuo trabalho de registro e resgate, sua pessoa conhece muitas e importantes histórias. A maneira como recebe minhas mensagens, no entanto, me fez quebrar a timidez e contar uma passagem, que é muito importante para minha pessoa.

O meu Interlagos era novo, do ano 66 e, portanto, o caso se passou nessa época. Em uma barbeiragem feia dei uma pequena “catada na guia”, quebrei a roda e certo empeno na suspensão. Não consegui fazer o reparo com perfeição e disseram-me –na minha ignorância granítica acreditei- do monobloco deveria ter empenado. O reparo teria de ser no gabarito e o melhor local seria a fábrica. A minha origem é Pernambuco, o piloto pernambucano Gegê Bandeira é meu primo mais velho, que teve uma trajetória, com DKW.

Com um pequeno remanejar de contatos consegui ser recebido pela fábrica.

E, todo fagueiro, cheguei a Santo Amaro com minha berlinette Alpine 108 (Interlagos). Na porta do galpão estava o Luiz A Greco, Wilson Fittipaldi pai Barão e Luiz Pereira Bueno – está em minha memória como uma fotografia – conversando na porta do galpão. A minha posição, ridícula, é que o veículo deveria ser colocado no gabarito –teria de desmontar tudo – para desempenar. Mas, depois de um exame de quem entendia, chegou-se a conclusão de simplesmente trocar amortecedor e poucas peças. O serviço ficou perfeito. Na oportunidade, querido Barão Wilson Fittipaldi, que era de uma franqueza, carisma e espontaneidade diagnosticou: “ Quem precisa ir para o gabarito é o pernambucano ”. A gozação foi tremenda e fiquei um bocado encabulado.

Alguns meses depois, estava em assistindo um treino, no boxe, no RJ. E, de repente, me aparece o Luiz Pereira Bueno. Lembro-me bem de sua pessoa: um pouco introspectiva. Ele reconheceu minha pessoa, me abraçou e me apresentou para algumas pessoas, se lembrou da “estória” do gabarito e perguntou sobre meu Interlagos.

O importante é que foi nítido seu carinho por ter percebido e se lembrado de eu ter ficado encabulado, pela minha gafe, em São Paulo.

Importante:

Na oportunidade, falou com muito carinho de meu primo Gegê e, também, de umas peripécias dos dois no Recife. Mas, são outras historias.

É curioso: Na época, entre tanto pilotos, como leigo, tinha uma predileção, reparava que possuía um “guiada” diferente, o Luiz Pereira Bueno.

Contando com sua sensibilidade: esse relato é com todo o carinho, já relatei para Wilson Fittipaldi jr. que adorou, mas não deve publicar.

Obrigado e Sucesso,

 Roberto”

 

Como era grande o coração do nosso Luizinho...

 

Enquanto isso, no balcão do cafezinho...

 

E aconteceu o esperado: na última sexta-feira, dia 18, Cleyton Pinteiro foi reeleito, por aclamação, para a presidência da Confederação Brasileira de Automobilismo. Diante dos representantes das 20 federações de automobilismo no Brasil, Pinteiro destacou o apoio das federações estaduais como fator primordial e determinante para sua permanência no cargo (mesmo ele tendo sido, no mandato anterior vítima de uma “tentativa de ‘golpe de estado’” por parte de um de seus vice-presidentes.

 

A chapa – única – eleita para o quadriênio tem, além de Cleyton Pinteiro, três vice-presidentes: Milton Sperafico (ligado à Federação Paranaense); Rudolfo Edmundo Rieth Filho (ligado à Federação Gaúcha) e Zeca Monteiro (que foi seu sucessor na Federação Pernambucana). Para o conselho fiscal, os membros efetivos fserão Eduardo José de Faria Neves, Edison Rodrigues Campos e Aylton Quintilliano Junior e os suplentes são Francisco Alberto Pires de Castro, Rui Ricardo de Albuquerque Ramos e Gashypo Chagas Pereira Neto.

 

E terminou mais uma edição do ‘De CÁ’. Stéphane Peterhansel, pela 11ª vez em sua carreira, conquistou o troféu da competição que, outrora foi chamada de Paris – Dakar e posteriormente de Dakar. Assim, o franês, aos 47 anos, tornou-se o maior vencedor da história do cross-country, se somarmos suas seis conquistas na prova das motos, sempre pela Yamaha. Depois de percorrer mais de 8.500 km da disputa na edição de 2013 do DE CÁ, Peterhansel e seu navegador, o também francês Jean-Paul Cottret, chegaram ao quinto título entre os carros com um Mini All4Racing da equipe alemã X-Raid. Com isso, superaram os quatro títulos de Ari Vatanen.

 

E por falar em franceses, mesmo sem disputar o campeonato integralmente como declarou no final do ano passado (eu ainda espero que ele mude de idéia e parta para um fantástico decacampeonato), Sebastien Loeb conquistou o Rally de Monte Carlo, que teve algumas etapas canceladas no sábado por conta da nevasca que vem atingindo a Europa e que comprometia a segurança dos pilotos.

 

Na festa da Ferrari, em Madonna de Campillo, com cores oficiais, declarações oficiais e fotos oficiais, Fernando Alonso e Felipe Massa esquiaram, andaram de kart na neve e, na corrida, Fernando ‘faster than anyone’ Alonso chegou em primeiro, com Felipe Massa em segundo. Um semana antes, no Desafio das Estrelas, o espanhol foi jogado para a grama antes da segunda curva... Já vou avisando: no final do mês, nosso especial sobre o evento do Beto Carrero. Vai ficar melhor que o que fizemos no Mundial de Endurance.

 

Com muito pesar vemos um projeto de grande interesse e que poderia ter um retorno muito bom como é o F3 Brazil Open ter um grid de apenas seis cerros em Interlagos. Apesar de termos pilotos de outros países, ainda estamos longe dos anos que um festival de Fórmula Ford como o BUA, em 1969, que trouxe para o Brasil alguns dos melhores pilotos do mundo que corriam na categoria. Onde será que estamos errando?

 

Um abraço e até a próxima,

 

Fernando Paiva

 

 

Last Updated ( Sunday, 20 January 2013 00:32 )