Classificados

Administração

Patrocinadores

 Visitem os Patrocinadores
dos Nobres do Grid
Seja um Patrocinador
dos Nobres do Grid
Bernie Ecclestone e seus “factoides” PDF Print E-mail
Written by Administrator   
Monday, 02 July 2012 00:54

 

 

Caros amigos, esta estranha palavra, que ganhou as manchetes dos jornais há mais de uma década, durante a batalha política entre Cesar Maia (jocosamente conhecido “o prefeito malu-quinho”) e seu antes aliado – e depois inimigo político – Luiz Paulo Conde (a quem ele chamava de “minhoca gorda”), pronunciada por Cesar Maia ganhou até significado no famoso Dicionário Aurélio: ‘Fato, verdadeiro ou não, divulgado com sensacionalismo, no propósito deliberado de gerar impacto diante da opinião pública e influenciá-la’. Uma das consequências desta disputa foi a campanha do “maluquinho” para “varrer o autódromo do Rio de Janeiro do mapa.

 

A prática do ‘factoide’ não foi, nem é, exclusividade dos políticos. E, em se tratando de automobilismo, ninguém supera o nosso bom velhinho, Bernie Ecclestone, que vez por outra, sai com os seus ‘factoides’ para criar discussões, sobre estes e desviar a atenção daqueles assuntos que por ventura o incomodam.

 

O último ‘factoide’ foi lançado nesta semana, onde em entrevista ao jornal – este é sério – inglês “The Times” ele mostrou-se disposto a investir (isso mesmo, caro leitor. Ele falou em por dinheiro do próprio bolso) 35 milhões de libras (cerca de 86 milhões de reais) para a realização de um GP de Fórmula 1 pelas ruas de Londres!

 

Segundo o jornal “The Times” o circuito será apresentado nesta quinta-feira, terá 5,1 km e passará por símbolos da cidade como o Palácio de Buckingham e Trafalgar Square. A expectativa dos organizadores é de que um evento como esse mobilize até 120.000 torcedores. Saiu até um mapa com o futuro traçado!

 

As palavras do bom velhinho foram estas: “Da maneira que as coisas caminham, talvez nós coloquemos dinheiro nisto. Pense no que isso traria para o turismo. Seria fantástico, bom para Londres, bom para a Inglaterra, muito melhor que a Olimpíada”, disse o empolgado mandatário ao periódico.

 

Pode até ser, mas o “anúncio” foi feito logo em seguida a outra notícia – bombástica e sem sensacionalismo – que certamente incomodou o todo poderoso da F1 e que foi manchete em todos os jornais e sites do mundo: a justiça alemã condenou o ex-banqueiro Gerhard Gribkowsky a oito anos e meio de prisão por envolvimento no recebimento de suborno durante as negociações de compra de parte dos direitos da F1 por parte do CVC, atual detentor da maior fatia da categoria na última quarta-feira (27/06).

 

O ex-funcionário do banco BayernLB atuou como intermediador entre o grupo e Bernie Ecclestone, principal dirigente da categoria. Além da acusação de suborno, o ex-banqueiro também foi considerado culpado por abuso de confiança e evasão fiscal. Numa manobra de advogados, visando uma redução da pena (que poderia chegar até 14 anos de reclusão), Gribkowsky – que está preso desde o início de 2011 – confessou que recebeu “apenas” 10 milhões de dolares dos quase US$ 50 milhões (mais de R$ 100 milhões) prometidos por Bernie Ecclestone durante as negociações. O dirigente da F1 será o próximo alvo da justiça alemã. Será que ele vai aparecer no GP da Alemanha daqui a 3 semanas? Vamos ver.

 

Segundo o promotor Christoph Rodler, Ecclestone, que alegou ter sido coagido para efetuar o pagamento, não é vítima no processo, como alegou em depoimento dado em novembro, mas atuou como cúmplice de Gribkowsky. “Ele não é vítima de uma extorsão, mas o cúmplice em um ato de corrupção”, disse Rodler, de acordo com a imprensa alemã. O promotor alemão também alegou que Ecclestone tinha “interesse em efetuar o pagamento” porque “seu trabalho e vida estavam em risco” caso Gribkowsky cumprisse o prometido e “criasse dificuldades fiscais para ele no Reino Unido”.

 

O porta-voz da justiça alemã, Thomas Steinkraus-Koch, informou que Bernie Ecclestone está sendo investigado desde o início de 2011, mas que qualquer acusação será feita apenas ao final do caso Gribkowsky. Caso vá a julgamento, o dirigente de 82 anos pode pegar até 10 anos de prisão.

 

Aí vale tudo, certo? Vale criticar os motores turbo V6 – que não vão sair baratos a referir-se pelo custo que foi informado: 20 milhões de dólares por unidade. Daí vamos fazer uma continha de boteco: Cada equipe usando 8 motores (em corrida), por carro são, no mínimo, 16 motores para a temporada... ou 320 milhões só em motores!!! Mas isso deve ser somente mais um ‘factoide’.

 

Enquanto isso, no balcão do cafezinho...

 

Neste domingo teve Stock Car. Será que alguém segura o Cacá Bueno este ano? Tirando a quebra em Curitiba, foram três vitórias e um segundo lugar (na vitória de Chico Serra). Mais ainda: será que alguém segura o Andreas Mattheis? Na corrida em Curitiba, quem venceu foi Valdeno Brito, da segunda equipe do “Imperador de Petrópolis”. Ou seja, todas as demais equipes estão chupando dedo até agora! Muito boa a participação do Tiago Marques na transmissão da corrida.

 

Também teve DTM no circuito de rua de Norisring. Augusto Farfus Jr, o único brasileiro na categoria vem se impondo sobre o companheiro, o inglês Andy Priaulx e largou na terceira posição. É, mas a chuva e a rodada do pole, Gary Paffett provocou uma confusão “daquelas de WTCC”... e sobrou para o brasileiro. Augusto até tentou continuar, mas teve que abandonar.

 

A chuva e um safety car salvou o final de semana dos brasileiros na World Series. André Negrão, filo de Guto Negrão e sobrinho de Xandy Negrão conquistou um pódio na prova do domingo, disputada em parte (hora da pista, hora do tempo) sob chuva. André rodou e foi pra brita no início da prova, mas o safety car embolou tudo e, para ele deu certo. Contudo, os brasileiros na categoria (André Negrão, Lucas Foresti, Yann Cunha) vem andando do meio pra trás no pelotão. Quem voltou pra categoria nesta prova foi Cesar Ramos, que andou melhor que os demais brasileiros por já ter experiência na categoria, mas sempre encontrou alguém para tocá-lo pra fora da pista... e no domingo foi Yann Cunha. Será que não está faltando “base” para nossos pilotos? O “autódromo-escola” foi destruído e, depois disso...

 

Um abraço e até a próxima,

 

Fernando Paiva 

 

 

Last Updated ( Monday, 02 July 2012 01:14 )