Classificados

Administração

Patrocinadores

 Visitem os Patrocinadores
dos Nobres do Grid
Seja um Patrocinador
dos Nobres do Grid
Carta ao Presidente PDF Print E-mail
Written by Administrator   
Wednesday, 18 January 2017 20:31

Caros amigos, hoje é quinta-feira, 19 de janeiro. Amanhã, na sua sede, localizada na Rua da Glória, 290, 8º andar, no Rio de Janeiro, terá lugar a mais polêmica eleição para a presidência da Confederação Brasileira de Automobilismo de que sabemos nos últimos 30 anos, pelo menos.

 

Dois candidatos, duas correntes, duas propostas, que pelo que li no sério “Diário Motorsport”, do nosso prestigiado parceiro, o Jornalista Américo Teixeira, são, quando não congruentes, complementares. O fato dos dois candidatos e seus correligionários agregarem tal conjunto de ideias leva-me a questionar – mais uma vez – uma vez que ambos faziam parte da administração que está terminando, porque nada do que está sendo proposto foi feito nos quantro anos que se passaram.

 

Desculpem-me os candidatos, mas omitir-se ou alegar que nunca eram chamados pelo presidente para discutir projetos para o automobilismo brasileiro é inadmissível, com as facilidades de comunicações que temos nos dias de hoje, onde videoconferências são feitas com pessoas mesmo estando em outros países, que dirá, cidades. Se a situação do nosso automobilismo é chamada hoje de “inaceitável”, este argumento também o é.

 

Os senhores candidatos, enquanto candidatos, viajaram a diversos estados “em campanha”, buscando apoio para sua candidatura. Em momento algum, contudo, relataram ter viajado a estes mesmos estados durante seus anos como integrantes da administração que termina para dialogar, fomentar projetos, procurar as autoridades locais, angariar apoio de potenciais investidores para que houvesse um crescimento do automobilismo.

 

Tivemos a oportunidade, através da nossa parceria com a Rádio Banda B, do Paraná, de entrevistar por 90 minutos cada um dos senhores, onde lhes foi dado tempo suficiente para responder as dezenas de perguntas feitas, para os senhores explanarem suas ideias, desenvolvendo os tópicos que os senhores acharam mais interessantes e deixar as suas intenções claras, do que farão caso sejam eleitos.

 

No debate organizado pelo prestigiado jornalista de gabarito internacional, Lívio Oricchio, a nossa pergunta, que foi a primeira a ser feita aos candidatos, onde perguntamos a que horas e por quantas horas eles seriam presidentes da CBA, uma vez que são ambos empresários e tem seus negócios pra cuidar acabou por guiar a maioria do tempo de discussão e gerou a cobrança dos presentes aos senhores de que a gestão do automobilismo brasileiro seja profissionalizada.

 

Os senhores candidatos assumiram, diante de todos os presentes e isso está gravado no golboesporte.com as falas dos senhores, assumindo um compromisso de que contratarão um profissional de gestão para dedicar-se à gestão das questões administrativas do automobilismo nacional. Que o senhor presidente eleito tenha certeza: iremos cobrar não apenas esse compromisso assumido, além dos projetos apresentados durante a campanha.

 

Mas o mais importante é algo que precisará vir não apenas do candidato eleito, mas também do candidato que for vencido. É lembrar que o automobilismo brasileiro precisa ser BRASILEIRO e não de uma região ou de apenas alguns estados. O automobilismo brasileiro tem discrepâncias como as que vemos em outros seguimentos e precisamos fortalecê-lo como um todo, não ficar incitando divergências.

 

O estado onde nasci e cresci não fica nem ao sul e nem ao norte do país. Até o ano passado não tinha um autódromo homologado para competições nacionais (e que no meu entender jamais poderia tê-lo sido nas condições que o foi), onde por muito tempo se disputou competições correndo em volta do “Mineirão”. Assim como Minas Gerais precisa mais, Mato Grosso, Bahia e outros estados também precisam.

 

O senhor, candidato eleito, precisa ter a capacidade de reunir em torno das suas propostas todos os interessados em melhorar as condições do automobilismo brasileiro, indo mais além e abraçando as propostas do candidato derrotado, mostrando ter humildade e consciência de que algumas das propostas do seu então oponente são importantes, bem elaboradas e realizáveis.

 

Espero também que o candidato derrotado, que tanto trabalhou nestes meses em busca de apoios à sua candidatura, que reuniu-se com pessoas ligadas ao esporte para elaborar um projeto a ser implementado caso fosse eleito, tenha a consciência esportiva de que pode e deve trabalhar para que o automobilismo tome um rumo diferente do que vem passando nos últimos anos, em grande parte alimentado pela situação econômica do país.

 

Vivemos momentos de extremismos nos últimos anos na política do país e tenho recebido emails com conteúdos de declarações por parte de pessoas que trabalham e vivem do automobilismo transferindo a política da intolerância, da polarização até geográfica para um pleito esportivo. Que os candidatos, eleito ou vencido, não se deixem contaminar por este tipo de atitude nociva ao automobilismo.

 

Por fim, senhor candidato eleito, a quem passo a chamar desde agora de Presidente, que o senhor fique ciente que terá o nosso apoio na divulgação e implementação dos seus projetos, mas tenha certeza de que seremos olhos vigilantes e implacáveis ao seu trabalho. A nossa cobrança será tão grande quanto.

 

Um abraço e até a próxima,

 

Fernando Paiva


Last Updated ( Thursday, 19 January 2017 08:10 )