Classificados

Administração

Patrocinadores

 Visitem os Patrocinadores
dos Nobres do Grid
Seja um Patrocinador
dos Nobres do Grid
Mea culpa? PDF Print E-mail
Written by Administrator   
Wednesday, 30 November 2016 19:29

Caros amigos, acredito que uma parte considerável dos estimados leitores já ouviu o termo “Mea Culpa” e que conhece o significado do mesmo, mesmo sem ser advogado ou sem ter estudado Latim, idioma original desta expressão.

 

Um dia após a publicação da minha coluna na semana passada, onde critiquei duramente as condições de infraestrutura e segurança encontradas no Circuito dos Cristais para a realização do evento da VICAR, com a Stock Car, o Campeonato Brasileiro de Turismo e a Copa Petrobras de Marcas a empresa TecRacing, responsável pelo autódromo divulgou a nota à imprensa com o seguinte conteúdo:

 

A TecRacing, empresa que administra o autódromo, já trabalha para trazer melhorias nas áreas de escape e defensas para aumentar a segurança da pista. "Já estamos planejando investimentos e estudando todas as análises feitas sobre o circuito, principalmente na questão da segurança", destaca Marco Túlio Ferreira Santos, diretor da TecRacing.

 

Um relatório contendo sugestões dos pilotos e comissários de segurança da CBA (Confederação Brasileira de Automobilismo), mais as cópias das corridas disputadas da Stock Car, Copa Petrobras de Marcas e Campeonato Brasileiro de Turismo, servirão de material para análise dos pontos a serem melhorados.

 

Também colhemos depoimentos com sugestões do público, de visitantes e dos demais participantes do evento como um todo para enriquecer o material e termos, assim, uma visão ampla no aspecto geral do que deverá ser melhorado.”

 

Achei muito interessante o uso do termo “sugestões” utilizado pela TecRacing para se referir as necessidades que o Circuito dos Cristais carece para ser homologado por um órgão internacional. O Autódromo Internacional de Curitiba ter a certificação da FIA na categoria 3. Nas condições em que as corridas foram realizadas, tenho sérias dúvidas se um comissário ou delegado internacional seria tão “compreensivo” quanto os oficiais do órgão local, ainda mais em um período pré-eleitoral.

 

O Circuito dos Cristais tem uma pista mais larga que o autódromo da cidade de Pinhais. A reta dos boxes do autódromo mineiro tem 22 metros de largura e seu traçado não tem nenhum ponto com largura inferior a 14 metros, pré-requisitos para uma homologação no padrão FIA 2, mas as dimensões das áreas de escape, mesmo quando estiverem prontas, com respectivas caixas de brita, guard rails e barreiras de pneus, são – em alguns casos pequenas demais para atingir esta homologação.

 

Até onde investiguei ao longo de sua construção, o plano era apresentar o Circuito dos Cristais como uma alternativa viável para tentar-se trazer a DORNA, empresa que promove o Campeonato Mundial de Motovelocidade, mas com as áreas de escape que o traçado tem é simplesmente impossível que a FIM e a DORNA concordem em fazer uma corrida em Curvelo.

 

Prezado Sr. Marco Túlio Ferreira Santos , estamos entrando no mês de dezembro e, até março de 2017, normalmente não temos corridas de automóveis. A TecRacing tem, pelo menos, noventa dias para que as adequações – imprescindíveis – sejam realizadas no Circuito dos Cristais, antes que tenhamos corridas pelos campeonatos de automobilismo, mesmo que das categorias regionais.

 

Um autódromo inseguro – e esta é a atual condição do Circuito dos Cristais – eleva os riscos já inerentes do esporte e caso aconteça uma fatalidade aonde as condições inseguras do autódromo venham a ser apontadas no inquérito poderá trazer um dano ao nome da empresa responsável pelo autódromo, a este em si e ao automobilismo ou motociclismo regional e/ou nacional.

 

É hora de ser humilde e trabalhar duro para atender não “sugestões”, mas as necessidades que o Circuito dos Cristais precisam cumprir, assim como a Confederação Brasileira de Automobilismo precisa assumir seu papel em toda a plenitude e não fazer política, homologando um circuito sem condições, fazendo paliativos, mas exigindo os rigores dos padrões de segurança do órgão ao qual é afiliado (a FIA).

 

Um abraço e até a próxima,

 

Fernando Paiva