Classificados

Administração

Patrocinadores

 Visitem os Patrocinadores
dos Nobres do Grid
Seja um Patrocinador
dos Nobres do Grid
É preciso ter fé! PDF Print E-mail
Written by Administrator   
Wednesday, 20 April 2016 08:07

Caros amigos, a coluna desta semana tem um desdobramento da coluna escrita na semana passada, que além de muito bem recebida gerou muitos emails. Alguns para saber “quem era Sofia”, outros perguntando se eu acreditava em contos de fadas, Papai Noel ou coelhinho da páscoa. Extremos.

 

Entre meus elogios à administradora do Velopark, mencionei que no último dia 15 de abril, a sexta-feira que foi antevéspera da votação do impeachment da Presidente Dilma Roussef no plenário da Câmara dos Deputados, no Congresso Nacional, em Brasília, na Câmara Distrital, não muito distante do centro do poder nacional, uma reunião de importância para o meio automobilístico teve lugar.

 

Durante audiência pública que foi convocada para esta data e foi realizada no plenário da Câmara Legislativa, o diretor técnico da Terracap, Carlos Leal, afirmou que a empresa estatal vai investir 12 milhões de Reais na conclusão das obras na pista do Autódromo de Brasília. A promessa se deu em debate promovido pelo deputado Júlio César (PRB), que manifestou apoio à recuperação do local para atrair de volta eventos automobilísticos à capital do País.

 

Logicamente temos que receber a notícia com esperanças, mas também com ressalvas, uma vez que não é a primeira vez que se fala em retomada das obras no Autódromo Internacional Nelson Piquet, mas até mesmo alguém com um mínimo de discernimento e vendo o estágio em que as obras foram paralisadas, consegue perceber que não faltaria muito para concluí-las e que, sem superfaturamento, o valor mencionado seria o suficiente para seu término.

 

Foram convidados para tratar do assunto o subsecretário de Espaços Esportivos e Centros Olímpicos da Secretaria de Esporte, Turismo e Lazer do DF, Isaías Soares; o secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Júlio César Peres; o presidente da Novacap, Hermes Ricardo Matias de Paula; o presidente da Terracap, Júlio César de Azevedo Reis; o presidente da Federação de Motociclismo do DF, Carlos Senise, e o presidente da Federação de Automobilismo do DF, Luiz Caland.

 

A iniciativa do Deputado Distrital foi muito mais que louvável. Foi necessária! É preciso lembrar que o Plano Piloto da capital federal é tombado como patrimônio da humanidade pela Organização das Nações Unidas por sua concepção arquitetônica única e sendo assim, apesar das pressões por parte dos empresários dos setores imobiliário e hoteleiro.

 

A solução ainda estaria há alguns passos de ser dada. Para fazer a conclusão das obras é preciso a aprovação do Governador do Distrito Federal, José Rollemberg para que seja dada partida nas obras e em tempos conturbados como está vivendo a política nacional, isso vai requerer uma exposição que talvez o chefe do executivo do DF não queira neste momento.

 

Em todo caso, esse anúncio da Terracap pode vir a ser um real primeiro passo para que o Autódromo Internacional de Brasília volte ao cenário esportivo nacional, com condições mais modernas e adequadas, capaz de minimizar a perda que estamos passando com o fechamento do Autódromo Internacional de Curitiba.

 

Como sou um pesquisador de notícias, achei extremamente interessante algo que foi publicado cerca de 15 meses atrás pelo controverso jornalista Claudio Humberto. O então presidente da Agência de Desenvolvimento do DF (Terracap), Alexandre Navarro Garcia, acredita que é possível realizar a reforma do Autódromo Internacional Nelson Piquet com R$ 43 milhões. Impressionante como o montante necessário encolheu, não?

 

Apesar de tudo que pode ainda decorrer até que os operários retornem ao Autódromo Internacional Nelson Piquet, é importante que a comunidade automobilística, não apenas do Distrito Federal, mas de todo o País esteja atenta e não comemore por antecipação uma fala pronunciada em um plenário de uma casa política.

 

Sejamos diligentes, sejamos conscientes, mas também é preciso que tenhamos fé!

 

Um abraço e até a próxima,

 

Fernando Paiva