Classificados

Administração

Patrocinadores

 Visitem os Patrocinadores
dos Nobres do Grid
Seja um Patrocinador
dos Nobres do Grid
São Paulo 500 KM 2014 PDF Print E-mail
Written by Administrator   
Friday, 15 August 2014 12:49

500 Km de São Paulo: Por Alexandre Bianchini.

 

 

Tive o privilégio de conhecer o belo autódromo construído pela Mitsubishi do Brasil em Mogi-Guaçu (SP) sob encomenda de Eduardo Souza Ramos, que recebeu a edição 2014 dos 500 Km de São Paulo. E além da prova dos carros modernos, teve também evento com carros antigos para homenagear os grandes pilotos que fizeram a glória do automobilismo brasileiro.

 

Assim que cheguei na parte de trás dos boxes vi o Águia colando os adesivos do evento em seu Willys Interlagos, com sua simpatia habitual. E além do Interlagos tinha muito carro importante ali no autódromo: Malzoni-DKW, o Opala do Affonso Giaffone, um DKW F89 2 portas do RS, outro DKW com entreeixos reduzido, a réplica do Fusca D3 do Alfredo Guaraná Menezes, o habitual exército de Alfa Romeo Giulia e Giulietta, os carros da Classic Cup e da CCC que iriam participar da corrida de antigos... entre carros puramente “de pista”, recriações de carros que fizeram sucesso nas pistas do passado e homenagens a carros que fizeram história no automobilismo brasileiro habilitados para andar normalmente na rua, era um espetáculo de encher os olhos.

 

 

Como parte do evento, além da corrida de 500 km propriamente dita, tivemos também rali de regularidade e a “flying lap”, onde os inscritos podiam verificar o limite do seu carro em volta rápida cronometrada no belo e sinuoso traçado. Em ambos os casos era possível a participação com veículos antigos e modernos. Pessoalmente, gosto muito: além de ser uma oportunidade de explorar os limites do carro em um lugar seguro e não nas ruas, a diversidade de carros presente permite comparar concepções de projeto e distribuições mecânicas diferentes, e mesmo observar como se comportam os carros de hoje em relação aos mais antigos.

 

Em determinado momento estavam na pista o endeusado BMW E30 e um Alfa Romeo 2300 Ti-4, e devo dizer que o nacional Alfa Romeo não apresentava comportamento nas curvas muito diferente do BMW não... o DKW F89 andando junto com o Malzoni foi uma sinfonia para os apreciadores do som dos motores de dois tempos. O perfume de óleo 2T também ajuda na volta ao passado.

 

 

Diversos pilotos que participaram da época áurea do automobilismo brasileiro estiveram presentes, seja para andar na pista, seja para rever os velhos companheiros de competição. Além do já citado Luiz Evandro “Águia”, estiveram presentes – citarei alguns, já que guardar nomes não é o forte desse vosso colunista – Arturo Fernandes, Ingo Hoffmann, Graziela Fernandes Santos, Bird Clemente, Walter Hahn Jr. Rui Amaral, entre outros.

 

Sempre acredito que a sensação em eventos desse tipo são os carros antigos preparados para competição. Vi pela primeira vez um Lotus Elan “de pista”, pintado com a tradicional combinação de British Racing Green com detalhes em amarelo utilizada pela equipe Lotus na F-1 nos anos 60. Alfas, como já citei, eram diversas, estavam presentes os tradicionais Fuscas, Passats, Voyages, Fiats 147 e Uno, a carretera Topolino que já fez história na Classic Cup do Paulista de Automobilismo, Pumas, todos unidos para propiciar um belo espetáculo.

 

 

 

Evidentemente nada no mundo é perfeito, pelo simples fato que se fosse perfeito não haveria como ser melhorado ou aperfeiçoado. Sei que a proposta do autódromo não é receber público, mas ao ver aqueles morros ao redor lembrei daquelas pistas europeias onde o público fica nas encostas ao redor ao invés de arquibancadas, e comecei a divagar se fôssemos um país apaixonado por automobilismo ao invés de futebol, se tivéssemos as cercanias da pista tomadas de fãs do esporte... desisti da ideia logo, já que o único morro apto a receber torcedores nos moldes de Brno e Jerez é um que fica em frente à entrada do miolo de baixa que dá acesso à reta dos boxes, o resto do público teria que ser acomodado em uma arquibancada a ser construída junto a um vale que tem atrás do trecho sinuoso oposto à reta dos boxes, e aí já complicaria muito a estrutura e acabaria com parte da beleza da pista.

 

O que mais dizer? Apenas dar os sinceros parabéns a todos (pilotos, mecânicos, organizadores, todo o pessoal de suporte) que fizeram essa grande festa do automobilismo. Confesso já estar na expectativa para o evento de 2015...

 


Last Updated ( Sunday, 14 September 2014 02:18 )